06:55

Quebra-nozes

Postado por Ana C. |

Por todas as formas tentou. Forçou com faca, alicate, maçarico, britadeira, feitiços infalíveis aos deuses abridores de pedras e palavras doces.

Nada.

Tempo, esforço, suor, energia, milhares de pensamentos e planos. Tudo em vão.

Com pesar – e um início de enxaqueca – guardou-o com cuidado e delicadeza de amor não dado em caixa escura, fundo de baú, e virou as costas. Para nunca mais olhar ou ter que lembrar.

Foi então que com um estalo seco, lá nas profundezas do escuro silencioso, abriu-se sozinho e para ninguém ver.

Justamente quando não era mais necessário.

5 comentários:

Camila Rufine disse...

Tão verdade...

(continuo adorando seus textos)

Pedro Vieira disse...

Me arrancou um sorriso! Obrigado.

Michele Mitsue disse...

Putz!

Drika disse...

=D

Anônimo disse...

Gosto tanto... Me lembra algo de Caio Fernando Abreu, curte?
bjo