10:33

Documentário

Postado por Ana C. |

Calculadamente o que faria em cada idade. Faculdade aos 18, o trabalho que sempre sonhou (ainda indefinido qual seria) + casamento com o grande e eterno amor da vida aos 21. Primeiro filho aos 23 e segundo aos 25, para crescerem juntos, sabe como é. Ah, lógico: linda casa própria com varanda e cercas brancas, e raízes fincadas para a velhice.

O roteiro era esse, aos 12 anos.

Mas a grande sorte é que veio a Vida, editora chefe, riu da sua história de principiante e lhe apresentou um enredo muito melhor elaborado. Bordado sem pontas soltas. E que combinava infinitamente mais com ela, ainda que só percebesse isso depois de reassistir inúmeras vezes o que já estava gravado.

6 comentários:

Pedro Vieira disse...

Sua escrita é como uma árvore: suave e bela, mas firmemente enraizada em algo gigante que é a Terra.
Muito obrigado!

Michele Mitsue disse...

Hahahaha, muiiito bom Ana!

A "editora chefe", não muda, nem mesmo em metáforas. Ri cruelmente da sua cara, te enche de bofetada e te faz acordar pra realidade.
A vida é mesmo um clichê e a gente não aprende. Tsc!

Já virei freguesa desse blog.
Beijo.

Drika disse...

ohcéus
!#@*!

Paula de Assis Fernandes disse...

A vida é mesmo um clichê e a gente não aprende.²
Amei, Ana, pra variar. Ainda bem que ela gostou mais do que estava por vir!! ;)

Scheyla Joanne Horst disse...

Coisas que a gente lembra quando relê os cadernos de confidências, haha.

S' disse...

Continua-se assistindo.