14:21

Desipnotização

Postado por Ana C. |

(Ou egrégora das mulheres que sofreram demais)

Mãe nossa que estais na terra, santificado seja o vosso nome, todas as milhares de formas que vos chamam desde séculos imemoriais. Venha a nós o vosso reino de luz e amor, para que nunca mais andemos cegas e rotas, tropeçando em pedaços por sarjetas e becos tenebrosos. Seja feita vossa vontade assim na terra como no céu, pois tudo que está em cima também está embaixo, para produzir os milagres de uma coisa só. Que descubramos, ainda que em porões escuros e sombrios, a vontade imensa de descansar em vosso regaço, sol central, e que o caminho até vós nos seja leve. O pão nosso de cada dia nos dai hoje, o pão para o corpo mas principalmente o alimento da alma, que vagamos tão famintas e desesperadas por esse mundo. Perdoai as nossas ofensas pois conheceis bem nossas falhas, que caminhamos por aí plantando erros e colhendo furacões, e sabeis também da nossa imensa vontade de acertar, o que nos faz entender e perdoar a quem nos tem ofendido. Não nos deixeis cair em tentação, para que não profanemos nossas almas nem as dos outros. Livrai-nos do medo da beleza fácil e simples, e não deixeis que ela nos doa e esmague, pois contais que a escuridão é só o outro lado da luz. Livrai-nos de todo o mal, daqueles que nos violentam por atos-palavras-pensamentos e daqueles que emporcalham nosso caminho. Libertais nossas asas engarrafadas para que vivamos vossas infinitas possibilidades, ainda que só a desilusão nos liberte das mentiras. Que aceitemos a grande responsabilidade por nossas vidas e pela renovação delas. Que tenhamos fogo da alma suficiente para desanuviar corações e mentes, e curar umas às outras.

Que assim seja.

3 comentários:

Pedro Vieira disse...

Quanta dor há no mar!

Paula de Assis Fernandes disse...

Ana, eu sempre me surpreendo com vc. Sério, queria saber escrever assim. E poder transformar uma tão rotineira oração num texto de beleza exímia, jamais tão bem explicado. Adorei.

Drika disse...

:o

.