06:21

Rotina doméstica II

Postado por Ana C. |

Tenho uma mulher solta no apartamento.

Quanto mais tentei me aproximar mais estragos fiz pelo caminho, barulho e susto. Procurei entre suas coisas vestígios de outros tempos-vidas-amores-lembranças. Encontrei. E foi sem pena que estraçalhei seu passado – com devaneios e promessas de futuro programado a ser bom – enquanto ela resmungava alguma coisa sobre a tampa da privada.

Um dia ela aproximou-se, lentamente, brilho estranho. Fiquei tão feliz que abri os braços e o sorriso, soltando exclamação de prazer. Nessa hora seus olhos desconfiados se toldaram, escuridão profunda, e ela esgueirou-se para sempre, fora do meu alcance, animal acuado.

Tenho uma mulher solta no peito.

4 comentários:

Paula de Assis Fernandes disse...

Ana, fantástico. Sério, achei brilhante. Li o outro e esse de novo, e se tornou ainda melhor. Nossa, amei. Mesmo.

Drika disse...

Foda.

Pedro Vieira disse...

É isso aí! :D
Lindíssimo!

Camila Rufine disse...

Li, compreendi e senti afinidade.

(Isso vale para o texto do tigre também)